750. QLFP (ou POSICARGA)
 

 



É uma tecnologia sintetizada para aumentar a consciência sobre circunstâncias criadas pela própria pessoa, como também para soltar (por atacado) as cargas permanentes, liberando todas as trilhas por onde são conduzidas. Para grupos, pessoas individualmente e (treinada) consigo mesmo.
As implicações de uma aplicação bem sucedida desta abordagem, dentro de um cenário mais amplo, são muito vastas para serem contempladas no momento.

História:
-QLFP foi criado depois de um 'Círculo Celeste' feito por pessoas altamente experimentadas, orientadas por Ed Dawson, sobre uma situação até então não resolvida, uma criação multiramificada e mútua, com filas de inimigos no mundo real.
O 'Círculo Celeste' demonstrou, sem sombra de dúvida, que as suposições no caso em questão, eram completamente inadequadas, se não incorretas, conduzindo à exposição de um fracasso de longa data sobre toda uma série de processos que mais *escondiam* a carga sobre a trilha de tempo, do que decarregavam seus conteúdos.
- Mais adiante, quando Max cavou fundo nos mecanismos deste particular evento, resultou no extremo insucesso deste simples processo dentro do contexto da sua resistência(oposição).
- Em um outro 'Círculo Celeste', Lynn Kell contribuiu com um segundo passo. Embora não crucial para o trabalho com o processo básico, essa contribuição acrescentou-se a ele pelo fato de reequilibrar a carga e acrescentar uma ferramenta valiosa no manuseio da carga como um todo.

Observações gerais:
- Todas as situações indesejadas foram criadas e são 'mantidas' no lugar, por uma intenção POSITIVA.
- Se a intenção positiva não for encontrada e reabilitada, a situação será * recriada*, mesmo depois de se erradicar todas as cargas anteriores envolvidas. Cada facção dentro do conflito cria mutuamente o seu oposto.
* Esse padrão tem sido amplamente usado, ao longo da história, para acender conflitos com a finalidade de ganhar vantagens individuais. Variações deste tema já foram mencionadas por Sun Tsu em ' A Arte da Guerra', mas nunca com o propósito de desfazer o impacto resultante.

Objetivo:
Eliminar de forma permanente os antagonismos indesejados e as condições de vida desnecessárias.

Método:
Levar a atenção sobre a intenção POSITIVA original, até ao nível da consciência.

Objetivos secundários; * soltura/ erradicação* de qualquer carga relatada ( pela observação, isso pode estar ativo ao longo de toda a trilha).

Nota para os processos envolvidos:
Alguns aspectos desses procedimentos não são novos, e podem ser encontrados em várias escolas. Entretanto, de longe, eles não têm sido aplicados correta ou inteiramente, como testemunhado pela constante criação de inimigos imaginários ou reais, por parte das pessoas.

O Processo Principal:

Localize uma oposição ( terminal ou condições) .
Olhos abertos ou fechados, pergunte: " Que parte sua ( minha) está ganhando poder com esta situação?"
3- Localize a parte no espaço.
4 -Prove o seu sabor e amplie a sensação ( percepção) deste [poder].

Notas:
* Obviamente, "você" é usado no processo, quando o sujeito for outra pessoa e " eu" para o caso de fazer consigo mesmo.
* O ítem em colchetes [ ] deve variar de acordo com a preferência da pessoa ( ver abaixo), até que a parte da pessoa que tem a intenção positiva, apareça.
* - O uso do 'Processo de Gunas' depois do primeiro passo e durante o (4), aumenta e acelera muito o sucesso deste processo.

(Opcional) Sub-Processos ( Lynn Keller):
* Se o terminal negativo ou condição invocados através do processo aparecem como um implante que precisa ser removido, pode-se perguntar para a CARGA ( não para a parte que é o próprio ser!!!) :

"Se você PUDESSE mudar, para ONDE você mudaria?"
Diga para onde está se movendo, se não desaparecer imediatamente.
Se isso persiste no mesmo ou em um novo lugar depois de 2 ou 3 rounds, dê o comando:
Indique para o Ser de onde você se dividiu.
Em casos raros, ele ainda estará lá, e se estiver é necessário declarar qual é a carga:
Você pode escolher : ser livre ou juntar-se novamente ao Ser, de onde você foi dividido.

Nota sobre os colchetes:
Como tem sido observado, o primeiro grupo de oposições está diretamente relacionado ao 'arquétipo' da pessoa.
A lista a seguir, de 10 de dezembro de 2002, mostra os ítens mais comuns. Os nomes dos arquétipos estão entre parêntesis, seguindo o modelo de Ifa e servindo apenas como referência para quem está familiarizado com esta filosofia.
A lista é derivada de observações feitas com o primeiro grupo de pessoas que está usando esta abordagem.

Lista de ítens arquetípicos:

" certeza" ( Obatala)
"poder" (Shango)
"estabilidade" (Ogum)
"prazer" (Oshun)
"orgulho" (Yemonja)
"tranquilidade" (Olokun)
"controle" ( sem ser informado) (Ochossi)
"alavancagem" (Eshu)
" triunfo malicioso" (Oya)

Notas:
* Yemonja/Olokun é um complexo, ainda que pareçam totalmente diferentes, na vida. Parece imprevisível, até este ponto, qual dos dois ítens na lista, será indicado.
* Palavras são rótulos; indicadores da "coisa real".
* Se o rótulo não se aplica, encontre o seu próprio rótulo, ou pule por cima da ação rotulada e simplesmente sinta a energia que é POSITIVA.
* Algumas vezes, a mente/ego chutará ou invalidará abruptamente, ou mesmo justificará os sentimentos encontrados, como sendo eles "positivos". Em especial no caso dos arquétipos femininos.
* Se isso ocorrer, (re) enfoque em " O que é que me torna mais forte", ou " O que é que está a serviço da sobrevivência", ignorando a pseudo moralidade do ego.
* - O primeiro round pode ser feito melhor se conduzido por um processador, antes de fazê-lo "sozinho". O foco nas questões iniciais está tipicamente sobre o arquétipo que está rivalizando com os outros arquétipos.

Qualquer um que tenha experiência com os arquétipos deve atentar para a classe de arquétipos que estão no jogo e igualmente checar as cargas com esses * mesmos* arquétipos.


A melhor das sortes e um próspero futuro!

 



Copyleft © 2002 by Maximilian J. Sandor